Search
Close this search box.

Chuvas abaixo da média no Centro-Sul para o 1º trimestre de 2023

13 de janeiro de 2023

Apesar de precipitações volumosas na virada do ano, Sul do país e áreas de Minas Gerais podem ter condição preocupante nos próximos meses pela baixa das chuvas
Compartilhe no WhatsApp
Chuvas abaixo da média no Centro-Sul para o 1º trimestre de 2023

Apesar de chuvas estarem sendo registradas neste início de ano de 2023 em diversas localidades do país, no balanço trimestral de janeiro, fevereiro e março, a tendência climatológica aponta para precipitações abaixo da média em diversos pontos do Centro-Sul do Brasil, com destaque para áreas do Sul – que já estão mais secas – e pontos de Minas Gerais (veja ao final da matéria a previsão por região).

“Este cenário poderá impactar negativamente as culturas agrícolas que se encontrarem em estádios fenológicos mais sensíveis como a soja, milho primeira safra e feijão”, diz o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) em nota conjunta divulgada nesta terça-feira (10).

Além disso, há a tendência de chuvas bem abaixo da média nos próximos meses para áreas de Minas Gerais, o que levanta também preocupações com a safra de café.

Em relação às temperaturas, o mapa de consenso dos institutos mostra ainda a possibilidade de valores acima da média ao longo de janeiro, fevereiro e março em partes do Centro-Sul do país, além de condição que tende a ser abaixo da média de temperatura no extremo Norte do país.

Veja o mapa de anomalia de precipitação e temperatura para janeiro, fevereiro e março:

Chuvas abaixo da média no Centro-Sul para o 1º trimestre de 2023
Fonte: INPE/Inmet

Andrea Ramos, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), explicou ao Notícias Agrícolas que as condições apontadas pela climatologia para o trimestre estão alinhadas com a condição de La Niña, com menos chuvas esperadas no Sul do Brasil, mas precitações acima da média na parte Norte do país e incógnita na parte central (áreas em branco).

Ramos ressalta ainda que, apesar das indicações climatológicas, chuvas têm acontecido em diversos pontos do país, inclusive em áreas do estado de Minas Gerais neste início de ano, inclusive com algumas cidades tendo umidade todos os dias – característica de verão –, ainda que tengam a tendência de acumulado trimestral crítico. “Precisamos esperar os próximos meses”, diz.

A especialista destaca que é importante o monitoramento diário das condições do tempo. “A climatologia usa modelos estatísticos, já a previsão do tempo é mais dinâmico”, explica.

Veja o mapa de precipitação acumulada dos últimos 10 dias em todo o Brasil:

Mapa de precipitação acumulada dos últimos 10 dias em todo o Brasil - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

Veja o mapa de previsão estendida para todo Brasil: 

Mapa de previsão estendida para todo Brasil - Fonte: Inmet

Veja previsão das chuvas para janeiro, fevereiro e março para todas as regiões do Brasil:

Região Sul

A previsão é chuva ligeiramente acima da média climatológica no nordeste de Santa Catarina e centro leste do Paraná. No Rio Grande do Sul, são previstos totais de chuvas próxima e abaixo da média em decorrência dos impactos que o fenômeno La Niña ainda poderá causar.

A temperatura do ar deverá prevalecer próxima e ligeiramente acima da média histórica, principalmente no Rio Grande do Sul.

A redução das chuvas em grande parte da região causada principalmente pela persistência do fenômeno La Niña, em especial no Rio Grande do Sul, causou restrição hídrica nas fases iniciais dos cultivos de primeira safra. Contudo, as chuvas previstas dentro e abaixo da média poderão reduzir ainda mais os níveis de água no solo, principalmente em áreas do Centro-Sul do Rio Grande do Sul, conforme é previsto pelo modelo do INMET. Este cenário poderá impactar negativamente as culturas agrícolas que se encontrarem em estádios fenológicos mais sensíveis como a soja, milho primeira safra e feijão.

Região Sudeste

São previstas chuvas próximas e ligeiramente acima da média para o Estado de São Paulo. Em Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, a previsão indica 9 totais de chuvas abaixo da climatologia do trimestre, principalmente em áreas do norte de Minas Gerais.

A temperatura do ar deve ser ligeiramente acima da média histórica no triângulo Mineiro e noroeste de Minas Gerais, além do centro-oeste de São Paulo. Nas demais áreas, as temperaturas deverão permanecer próximas à média.

Assim como na Região Centro-Oeste, os grandes volumes de chuva registrados nos últimos meses contribuíram para a manutenção da umidade no solo, favorecendo o estabelecimento da safra 2022/23. No entanto, com as chuvas previstas dentro e abaixo da média climatológica para o norte de Minas Gerais e o Espírito Santo, a previsão é de baixos níveis de água no solo, que consequentemente poderá causar danos as culturas que se encontrarem em fases fenológicos mais sensíveis.

Região Centro-Oeste

A previsão do multi-modelo indica tendência de chuvas próximas e acima da média histórica em grande parte da região, por conta da canalização de umidade oriunda da Região Norte que pode causar dias consecutivos com chuva, principalmente no Estado do Mato Grosso. No sudoeste do Mato Grosso do Sul, divisa do Mato Grosso com Goiás e Distrito Federal, são previstos totais de chuvas ligeiramente abaixo da climatologia do trimestre.

As previsões indicam que as temperaturas devem ser próximas e ligeiramente acima da climatologia nos próximos meses, principalmente no Mato Grosso do Sul e sul de Goiás.

O retorno gradual das chuvas que foi observado desde o mês de outubro de 2022 e contribuiu para o aumento dos níveis de água no solo, favorecendo o estabelecimento e o desenvolvimento das culturas de primeira safra no campo, como a soja, milho, feijão e algodão. A previsão de chuvas acima da média em áreas do Mato Grosso, podem manter a umidade do solo e beneficiar as lavouras da região. Entretanto, a previsão de chuvas dentro ou abaixo da média em janeiro de 2023 podem impactar negativamente o armazenamento de água no solo e as culturas que se encontrarem em estágios fenológicos mais sensíveis, principalmente em áreas do Estado de Mato Grosso do Sul.

Região Nordeste

A previsão indica chuvas acima da média em praticamente toda a região. Assim como na Região Norte, estas chuvas poderão ser consequência ainda dos impactos da La Niña, além do padrão de águas ligeiramente mais aquecidas próximo à costa. Já no Centro-Sul da Bahia, a previsão é de chuvas próximas e ligeiramente abaixo da média.

Quanto a temperatura do ar, deve ser próxima da média histórica em quase toda região, exceto no centro-leste no Maranhão, onde as temperaturas devem ser ligeiramente abaixo da climatologia nos próximos meses.

Os grandes acumulados de chuva observados nos últimos meses, principalmente em áreas do MATOPIBA e sul da Bahia foram importantes para a elevação dos níveis de água no solo e para o plantio e o desenvolvimento dos cultivos de primeira safra. No entanto, a previsão de chuvas dentro ou abaixo da média em janeiro de 2023, poderão impactar negativamente o armazenamento de água no solo, chegando a valores menores que 50% em áreas leste da região, o que poderá restringir as lavouras que se encontrarem em estágios fenológicos mais sensíveis. Em áreas do norte da região, há previsão de aumento das chuvas e consequente elevação da umidade do solo a partir de fevereiro.

Região Norte

A previsão climática produzida com o método objetivo (multimodelo – cooperação entre INPE, INMET e FUNCEME) indica predomínio de chuvas acima da média climatológica em praticamente toda a região, ainda devido à atuação do fenômeno La Niña e da umidade advinda do oceano Atlântico que é carregada pelos ventos alísios na região equatorial. Poderão ocorrer chuvas próximas da média durante o trimestre, no oeste do Amazonas, oeste de Rondônia, sul do Tocantins e extremo norte do Amapá e de Roraima.

 A temperatura média do ar deverá prevalecer em praticamente toda a região próxima da média, exceto sobre o extremo norte do Tocantins e centro-norte do Pará com temperaturas ligeiramente abaixo da climatologia. A previsão do balanço hídrico indica a manutenção de áreas com armazenamentos elevados em praticamente toda a região nos próximos três meses. Entretanto, em áreas do extremo norte da região, como em Roraima, mesmo com previsão de chuvas dentro da média, os níveis de água no solo podem continuar baixos.

 Fonte: Notícias Agrícolas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Valor é 4,4% maior que os US$ 35,85 bilhões em exportações registrados no primeiro trimestre do ano passado
Impulsionadas pela soja em grão, pelo açúcar bruto e açúcar refinado, as exportações do Paraná cresceram 4,7% em valor no primeiro trimestre do ano em relação a igual período do ano passado, informou em nota a Agência Estadual de Notícias.
Fenômeno vai provocar secas prolongadas em regiões com hidrovias para escoamento de produtos, alerta Climatempo
ABCZ foi escolhida para sediar a segunda edição do COMCEBU; evento é aliado à 89ª ExpoZebu