Search
Close this search box.

China tem participação recorde em exportação do agronegócio brasileiro

24 de janeiro de 2024

País teve participação de 36,1% da pauta de 2023, o maior patamar já registrado na parceria entre os dois países
Compartilhe no WhatsApp
China tem participação recorde em exportação do agronegócio brasileiro

China assumiu nas últimas décadas um papel estratégico para o agronegócio brasileiro, saindo de uma participação de apenas 2,73% como destino das exportações do setor em 2000, para 36,1% no ano passado, percentual mais elevado na série histórica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Desde 2013, lembra Sueme Mori, diretora do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) e diretora de relações internacionais da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a China tornou-se o principal destino das exportações do setor.

— Há sem dúvida uma associação muito forte entre o ganho de relevância do Brasil no cenário externo, assim como de nossas exportações e o aumento das compras da China — comenta Mori.

Numa perspectiva histórica, prossegue ela, em 2000 as vendas do setor destinadas à China aproximaram-se de US$ 561,5 milhões, representando 2,73% das exportações totais do agronegócio, com a União Europeia respondendo por 36,4% da pauta. No ano passado, a fatia do mercado europeu havia recuado para 13%, correspondendo a pouco mais de um terço da participação assumida pelos chineses então. Segundo dados oficiais, detalhados pelo secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, Roberto Perosa, as vendas externas do agronegócio avançaram para cerca de 4,8% no ano passado, de US$ 158,8 bilhões para o recorde de US$ 166,5 bilhões, registrando um acréscimo equivalente a US$ 7,68 bilhões.

No mesmo período, prossegue ele, as vendas externas de agropecuários para a China elevaram-se de US$ 50,7 bilhões para um recorde de US$ 60,2 bilhões, num crescimento de 18,8% ou US$ 9,53 bilhões a mais. Excluindo-se as compras chinesas, as exportações do agronegócio para os demais países recuaram de US$ 108,1 bilhões para US$ 106,3 bilhões, baixa de 1,70%.

Mori pondera que persiste uma concentração expressiva na pauta externa do agronegócio, o que não refletiria nem a capacidade de produção e nem a diversidade da agropecuária brasileira. A soja em grão respondeu no ano passado por dois terços da pauta com os chineses, uma vez que 73,1% da oleaginosa exportada pelo país tiveram a China como destino final, acrescenta Francisco Carlos Queiroz, da Consultoria Agro do ItaúBBA.

— Nos últimos quatro ou cinco anos, a China tem absorvido em torno de 70% das nossas exportações do grão.

A decisão do governo chinês de abrir o mercado para importações de milho transgênico, em 2022, levou a um “boom” dos embarques brasileiros, elevando a participação do país asiático de menos de 3% para perto de 29% de todo o milho exportado pelo Brasil, conforme Queiroz. O salto contribuiu para impedir que os preços do grão, aqui dentro, caíssem ainda mais, diante da safra recorde colhida pelo país, considera o analista.

— O mercado chinês também salvou o boi gordo — diz Cesar Castro Alves, consultor do setor agro do Itaú BBA.

As exportações para aquele mercado vinham em baixa até novembro, mas experimentaram níveis históricos em dezembro, o que fez o balanço do período ser positivo, considerando que a China foi destino de 60,4% da carne bovina in natura exportada pelo Brasil.

Ascensão do café

As vendas externas do produto in natura avançaram levemente entre 2022 e 2023, saindo de 2,5 milhões para 2,6 milhões de toneladas. Incluindo miúdos e carne bovina industrializada, de acordo com Alves, o crescimento atingiu perto de 5,7%, com as exportações evoluindo de 3 milhões para 3,2 milhões de toneladas.

A expectativa de quebra na safra de milho tende a afetar negativamente as exportações esperadas para este ano, conforme Queiroz, mas os embarques de carnes podem registrar avanço, na previsão de Alves. Como novidade, as exportações de café à China, que saltaram mais de 200% no ano passado, para algo em torno de 1,3 milhão de sacas, em torno de 4% do total embarcado, podem trazer números positivos para este ano, antecipa Alves.

O aumento da demanda por alimentos, o avanço da renda média e o crescimento demográfico na China, sugere Mori, deve continuar favorecendo as exportações brasileiras. Ela lembra a preocupação do governo chinês em relação à segurança alimentar e redução na dependência de fontes de suprimento

Por O Globo

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Os pesquisadores vão debater projetos e ações para o desenvolvimento sustentável da piscicultura na Amazônia com uso de tecnologia.
Empresa tem como produtos biofertilizantes e biocombustíveis produzidos a partir da sanitização de resíduos orgânicos que podem ser utilizados no campo.
Modificações na agricultura por intermédio da tecnologia e inovação tentam minimizar os impactos da produção de alimentos no meio ambiente e tornar o setor mais eficaz e sustentável. Um sensor ajuda no processo
Biodigestores estão revolucionando a energia sustentável e agricultura, transformando resíduos orgânicos em biogás.