Search
Close this search box.

Central Leilões vislumbra negócios robustos neste ano

9 de fevereiro de 2024

Lourenço Campo, diretor da Central Leilões, de Araçatuba (SP), está otimista com os negócios neste ano. A empresa espera promover 230 remates, número superior ao do ano passado
Compartilhe no WhatsApp
CENTRAL LEILÕES VISLUMBRA NEGÓCIOS ROBUSTOS NESTE ANO

Campo tem experiência de quase 40 anos na área de leilões. Ele espera realizar ao menos 230 pregões. A Central conta com 190 que são fixos anualmente, o que facilita planejar o andamento da empresa. O restante, cerca de 30 ou 40 eventos, habitualmente são somados ao total fixo. “São remates de liquidação, por exemplo, que não estavam previstos, mas que dão entrada e aumenta o número.”

O leiloeiro acredita em melhora no consumo de carne bovina no mercado interno. O sempre bem lido Portal DBO, informa que esta semana abriu com estabilidade nos preços físicos do boi gordo. Segundo o Portal, analistas mantêm a previsão de aumento na demanda pela carne bovina, impulsionada pela entrada de dinheiro na conta dos trabalhadores e os festejos de Carnaval.

Lourenço concorda e adianta que a possível melhora deve refletir-se nas marteladas do leiloeiro.

O movimentado setor de leilões no Brasil está se acomodando após o período difícil  da pandemia e este ano deve apresentar um acréscimo mais robusto de vendas.

“O ano de 2023 foi bom, não tenho queixa, mas a quantidade de pregões caiu um pouco. Eu lembro que a pecuária sofreu com a queda de preços ao pecuarista.”

Lourenço Campo anuncia um movimentado leilão para o sábado, dia 10. É o Pantanal Coxim, um remate virtual que começa às 13 horas e tem oferta de 1.500 animais que foram filmados em Paiagás e Nhecolândia.

Eu, Sebastião, andei muito pela linda região da Nhecolândia, no Pantanal. O rebanho de corte selecionado por lá realmente é muito bom. Forte e produtivo!

Por Sebastião Nascimento

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Para participar é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único e viva no meio rural, com renda mensal de até R$ 218 por integrante
Reunião para discutir o tema foi realizada na terça (21), em Brasília
Em 2023, a CNI contabilizou 85 entraves às exportações nacionais contra 77 no levantamento do ano anterior