Carne bovina dissociada de EEB em humanos

Fiocruz diz que casos suspeitos de mal da vaca louca no RJ não têm relação com consumo de carne. Pacientes continuam em isolamento com suspeita da forma esporádica.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Carne bovina dissociada de EEB em humanos
Casos de Mal da Vaca Louca em humanos não tem origem no consumo de carne bovina contaminada.
Áudio

A Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) afirmou em 11 de novembro que os dois casos suspeitos de mal da vaca louca em moradores da Baixada Fluminense não têm relação com consumo de carne. Segundo a fundação, os pacientes estão com suspeita da forma esporádica da Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ) considerando os aspectos clínicos e radiológicos.

Segundo o Ministério da Saúde, a forma esporádica da DCJ não tem causa e fonte infecciosa conhecidas, nem se transmite de pessoa para pessoa. A forma relacionada ao consumo de carne – o que não foi o caso dos pacientes do Rio – é conhecida como vDCJ, uma variante. De acordo com especialistas, apesar da diferença entre as doenças, ambas são popularmente conhecidas como mal da vaca louca.

Os dois pacientes estão internados, em isolamento, no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), em Manguinhos, na Zona Norte do Rio. Inicialmente, a Fiocruz falou que havia suspeita de encefalopatia espongiforme bovina, popularmente conhecida como ‘Doença da Vaca Louca’. A Secretaria Municipal de Saúde do Rio informou que um reside em Belford Roxo e o outro, em Duque de Caxias.

A Prefeitura de Caxias confirmou que há um cidadão da cidade monitorado, e a de Belford Roxo afirmou que não foi notificada. A Secretaria de Estado de Saúde afirmou que um dos pacientes é um homem de 55 anos, morador de Caxias, e que teve início dos sintomas em agosto desse ano. A notificação foi feita em 29 de outubro pelo INI, onde ele segue internado, e a investigação do caso foi encerrada pela vigilância municipal de Duque de Caxias como quadro de DCJ esporádico.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Caxias, o paciente apresentou sintomas de demência e ataxia (perda ou irregularidade da coordenação muscular). O outro caso, de acordo com a secretaria, é de uma mulher de 59 anos, com início dos sintomas em outubro e notificação feita na última terça-feira, 9 de novembro.

Nota oficial do MAPA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) esclarece que os casos de doenças neurodegenerativas investigados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), conforme noticiado na imprensa, tratam-se de suspeitas da Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ).

Desta forma, os casos suspeitos não têm relação com consumo de carne bovina. A maior incidência da doença ocorre de forma esporádica e tem causa e fonte infecciosas desconhecidas.

De acordo com informações disponíveis no site do Ministério da Saúde, entre os anos de 2005 e 2014, foram notificados, no Brasil, 603 casos suspeitos de DCJ. Desde que a vigilância da DCJ foi instituída no Brasil, nenhum caso da forma vDCJ foi confirmado. A vDCJ é uma variante da DCJ, associada ao consumo de carne bovina.

Fonte: CNN/MAPA

Crédito: Arquivo Mundo Agro Brasil – MAB

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Remar Cidadão precisa da participação dos cidadãos para avaliação e aprimoramento das previsões de andadas e das normativas de defeso dos caranguejos nos anos futuros
Para especialistas, desempenho exportador das carnes neste início de 2022 é bastante satisfatório, mas o preço da carne suína registra queda anual próxima de 10%
Projeto Conexão Campo e Cidade traz o IPA, instituto que atua na representação da agropecuária na política nacional. Ele entende que governos devem focar na redução de custos para o produtor
Bunge disse, em nota, que “esta transação contribuirá para a capacidade de originação de grãos”. A nova aquisição é uma empresa especializada em insumos agrícolas