Carbotex adota modo de produção sustentável a fim de contribuir com o desenvolvimento socioeconômico brasileiro

Empresa - que oferece soluções químicas e tecnológicas a uma ampla cartela de clientes do agronegócio - assume o seu papel de relevância na preservação ambiental e enxerga nas novas formas de trabalho um diferencial competitivo no mercado, por ser um critério para medição da excelência e qualidade dos negócios

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Carbotex adota modo de produção sustentável a fim de contribuir com o desenvolvimento socioeconômico brasileiro
Áudio

O agronegócio brasileiro não se restringe apenas a produção de alimentos, mas envolve também outros fatores que se relacionam diretamente com os pilares da sustentabilidade: desenvolvimento social e econômico, bem como proteção ambiental. Por isso, diferentemente do papel de vilão do meio ambiente que é imposto ao agronegócio, esse setor tem investido a cada dia mais em práticas sustentáveis que possibilitem, ao mesmo tempo, o aumento da produtividade agrícola e pecuária, e a valorização do gigantesco ativo ambiental do país, haja vista que as áreas preservadas, cobertas com vegetação nativa, somam 66% do território brasileiro, segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Neste caminho, as empresas do setor público e privado têm um papel de suma importância a fim de alavancar os investimentos em sustentabilidade, mostrando que os seus negócios estão alinhados com práticas de responsabilidade social. Ou seja, que não ofereçam apenas produtos de qualidade, mas que estejam, de fato, comprometidos com a sociedade. Afinal, oferecer produtos e serviços que estejam alinhados com o desenvolvimento sustentável do planeta é mais do que uma necessidade visando a sobrevivência humana, é uma forma de investir em melhores negócios.

A Carbotex – que disponibiliza soluções químicas e tecnológicas a uma ampla cartela de clientes do agronegócio – é uma dessas empresas que visa contribuir com a cadeia do agro sustentável no país. Tanto que se tornou, recentemente, signatária do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). Trata-se de um movimento mundial que visa mobilizar a comunidade empresarial a incorporar, em suas práticas de negócios, ações nas áreas de diretos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção.

“As questões ambientais, sociais e de governança passaram a ser consideradas essenciais nas decisões de investimentos, e além de estarmos atentos às exigências do mercado, temos a responsabilidade social corporativa como princípio orientador”, explica o CEO da Carbotex, Gerson Shinoda. “Além disso, organizações internacionais ligadas à ONU elegeram o Brasil como uma fonte promissora de alimentos. Nós queremos que a Carbotex faça parte deste processo, tanto na agricultura como na pecuária, e para isso adotamos um modo de produção sustentável, valorizando o capital humano e investindo em soluções que contribuam para a preservação ambiental, ou seja, um investimento socioeconômico”.

carbotex e lider de mercado quando o assunto e enxofre destinado a nutricao animal1
Empresa fica localizada na Zona Industrial de Araçariguama/SP – Foto: Divulgação

Carbotex alinhada com os ODS

Em 2015, a ONU propôs novas ações de desenvolvimento sustentável para os próximos 15 anos, que ganhou o nome de Agenda 2030. Sobretudo, ela é composta por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Assim, as empresas que integram o Pacto Global, como é o caso da Carbotex, assumem ainda a responsabilidade de contribuir para o alcance dos ODS. Neste contexto, a Carbotex adotou novas práticas de produção elevando a noção de consumo a um patamar mais consciente, acrescentando um valor agregado aos seus produtos alinhados com o desenvolvimento sustentável.

“Em nosso processo produtivo, buscamos 100% de recuperação de recursos, com todos os materiais recuperados, reutilizados ou reciclados”, cita Shinoda. Entre as medidas adotadas pela Carbotex, alinhadas com os ODS, é possível citar as seguintes:

  • O processo produtivo da empresa não faz uso de água;
  • A eficiência produtiva e a manutenção dos motores garantiram redução do consumo de energia da Carbotex, alinhado ao crescimento da produção de materiais;
  • A empresa não tem emissão de gases de efeito estufa e não realiza queima de combustíveis fósseis;
    Reciclagem de embalagens plásticas e papel;
  • Campanha de entrega de garrafas de metal e copos de bambu para todos os colaboradores;
  • Adoção de secadores de mãos nos banheiros.

Além da preocupação com o desenvolvimento sustentável, a Carbotex ainda utiliza essas novas formas de trabalho como diferencial competitivo dentro do agronegócio brasileiro. Haja vista que a sociedade como um todo está mais predisposta a consumir e fechar negócio com as empresas que seguem por essa rota da preservação do meio ambiente. Inegavelmente, são inúmeros os benefícios que as empresas alinhadas com a Agenda 2030 obtém, entre eles, aumento das vendas, expansão para novos mercados, fortalecimento da marca e melhoramento da eficiência operacional.

“Nós adotamos o Pacto Global como norteador para as ações de Responsabilidade Social Corporativa da Carbotex e sabemos que isso tem sido adotado como critério para medição da excelência e qualidade das empresas. Além de assegurar um valor diferencial para a marca e uma vantagem competitiva, buscamos, sobretudo contribuir com o bem social, considerando que ser socialmente responsável não se restringe ao cumprimento de todas as obrigações legais – implica ir mais além através de um ‘maior’ investimento em capital humano, no ambiente e nas relações com outras partes interessadas e comunidades locais”, finaliza a Analista de Inteligência de Mercado da Carbotex, Gabriela Amparo.

Por Natália de Oliveira/Assessoria de Imprensa Agrovenki
Crédito da foto: Divulgação/Carbotex

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Leilão com mais de 1.000 reprodutores reúne 128 investidores provenientes de 108 municípios de 13 diferentes estados da Federação.
Perspectivas climáticas para a primavera foram anunciadas em 21 de setembro pelo Inmet.
A indústria de alimentos foi identificada como o principal impulsionador da perda de biodiversidade e responsável por 1/3 das emissões globais de gases do efeito estufa.
Proposto em conjunto com Eletrobras, para descabornização na Amazônia, pacto pretende viabilizar projetos de energias renováveis para substituir o uso intensivo do diesel na região.