Search
Close this search box.

Captar recursos para apoiar os pequenos produtores é a proposta da Secretaria de Agricultura com o Fiagro

17 de maio de 2023

Um dos setores mais dinâmicos da economia, o agro pode ser uma excelente opção de investimento para pequenos investidores, além de fonte de recursos para os produtores rurais.
Compartilhe no WhatsApp
Captar recursos para apoiar os pequenos produtores é a proposta da Secretaria de Agricultura com o Fiagro
Foto: Divulgação

Foi assinado nesta segunda-feira, 15 de maio, o Protocolo de Intenções firmado entre a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, a Agência de Fomento Desenvolve-SP e a Suno Asset Management, com o objetivo elaborar estudos para viabilizar a aplicação dos recursos financeiros do Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (Feap), vinculado à Pasta da Agricultura, em um fundo de investimentos na modalidade de Fiagro, visando o desenvolvimento de política pública de crédito e fomento ao produtor do agronegócio paulista, para viabilizar investimentos com linha de recursos financeiros aos produtores rurais de pequeno e médio portes, aumentando a capilaridade para a distribuição desses recursos para o seu público-alvo.

Na mesma data, a Secretaria de Agricultura e a Desenvolve-SP celebraram outro Protocolo de Intenções visando o desenvolvimento de ações voltadas ao fomento e investimento do agronegócio sustentável.

Em São Paulo está a maior produção de cana-de-açúcar, frutas cítricas, borracha e amendoim do país, itens que fazem parte da pauta de exportações paulista e ajudam a equilibrar a balança comercial. Grandes estruturas e cadeias produtivas formadas por diversos elos garantem esses resultados. Esse grupo não tem dificuldade em contratar seguro nem financiamento. No entanto, os alimentos que estão na nossa mesa provêm de pequenas propriedades, geralmente fruto da agricultura familiar. De acordo com o Levantamento Censitário das Unidades de Produção Agropecuária (Lupa) realizado em 2017, 266 mil, das 339 mil UPAs existentes no Estado possuem até 50 hectares, o que corresponde a 78,46% do total de propriedades agrícolas do Estado. Esses são os possíveis beneficiários do Feap.

“Nosso objetivo é criar soluções para o pequeno e médio produtor”, afirmou Antonio Julio Junqueira, secretário de Agricultura, “essa é uma orientação que o governador Tarcísio de Freitas nos passou desde o primeiro dia”, completou. A criação dessa modalidade de investimento contempla esse objetivo de duas formas: com a criação do fundo, pequenos investidores podem adquirir cotas e alcançar um rendimento que só era obtido pelos grandes operadores financeiros; por outro lado, com a ampliação de recursos do Feap, a Pasta pode contemplar mais beneficiários, destaca Junqueira.

Para o secretário Antonio Julio, o Fiagro pode ser um instrumento que contribui para a implementação de políticas de desenvolvimento rural, fortalecendo a economia agrícola e auxiliando no planejamento e gestão do setor. Através do estímulo ao investimento e à modernização da agricultura, o Fiagro pode ajudar a manter o crescimento sustentável e a competitividade no campo, promovendo o desenvolvimento socioeconômico das regiões rurais e confiante para a segurança alimentar do país.

Para a Suno, essa parceria promete excelentes resultados. “O agro é o principal pilar da nossa economia. Seu crescimento exponencial nas últimas décadas ampliou a escassez do crédito público. O Governo de São Paulo torna-se pioneiro, entre todos os Estados do País ao se tornar cotista de um Fiagro, garantindo crédito, em condições vantajosas, ao produtor rural paulista, comenta Octaciano Neto, diretor de Agronegócios do Grupo Suno.

Opinião também compartilhada pelo diretor presidente da Desenvolve-SP. Ricardo Brito declarou estar muito otimista com a assinatura do termo de cooperação, que permitirá maiores investimentos no agro paulista.

Também estiveram presentes: Marcos Renato Böttcher, secretário-executivo da Pasta; José Luiz Fontes, coordenador de Relações Institucionais, Francisco Martins, secretário-executivo do Feap; Daniel Aigner de Miranda, assessor técnico do Feap; Luiz Fonseca, chefe de gabinete da Desenvolve-SP; Tiago Reis, fundador do Grupo Suno; Rafael Coelho e Vitor Duarte, diretores da Suno.

Sobre o Fiagro

O Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro) é um ativo financeiro criado por meio da Lei nº 14.130, publicada no dia 30 de março de 2021, com o objetivo de captar recursos de investidores para aplicar no desenvolvimento do setor agropecuário.

O Fiagro funciona como um fundo de investimento imobiliário, mas direcionado especificamente para o setor agropecuário. Ele permite que investidores adquiram cotas em fundos que possuíam como ativos imóveis rurais, tais como fazendas, sítios, terras e benfeitorias relacionadas. Dessa forma, o Fiagro permite a captação de recursos para financiar a aquisição e a exploração dessas propriedades, além de incentivar a modernização, a produtividade e a sustentabilidade da agricultura.

Para a Secretaria de Agricultura, o Fiagro é um instrumento por meio do qual poderá fomentar o desenvolvimento de um setor estratégico, tanto em termos de geração de empregos e renda quanto de segurança alimentar e produção de commodities agrícolas. Além de impulsionar a modernização das propriedades rurais, estimula a inovação tecnológica e contribui para aumentar a competitividade dos produtos agrícolas paulistas.

Por Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Criação de canais de atendimento exclusivos e especializados e melhorias na rede elétrica no interior integram série de ações previstas no Cemig Agro.
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
O saldo alcançou US$9,42 bilhões, aumento de 14,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior