Search
Close this search box.

Café feminino: conheça a história de agricultoras que se uniram para ganhar voz em cooperativa e hoje têm até marca de grãos especiais

28 de setembro de 2023

Mulheres de Poço Fundo, em Minas Gerais, lutaram por voto, chegaram à presidência e criaram cafés sustentáveis e orgânicos.
Compartilhe no WhatsApp
Café feminino conheça a história de agricultoras que se uniram para ganhar voz em cooperativa e hoje têm até marca de grãos especiais
Foto: Globo Rural

Conheça a história de agricultoras que se uniram para ganhar voz em cooperativa

Abrir conta no banco, tomar decisões, alcançar a presidência de uma cooperativa. Essas são só algumas das conquistas de agricultoras de Poço Fundo, em Minas Gerais.

Tudo começou nos anos 90, quando o marido da agricultora Maria José Borges ajudou a fundar uma associação de pequenos produtores. Juntos, eles negociavam preços melhores para vender o grão. O grupo cresceu e ganhou o nome de Cooperativa dos Agricultores Familiares de Poço Fundo e região, a Coopfam.

O grupo contou com a participação do marido de Maria José até 2008, quando ele teve um infarto e não resistiu. Poucos meses depois, a agricultora compareceu a uma assembleia da cooperativa.

Apesar de homens e mulheres trabalharem juntos na lavoura, só eles tinham direito ao voto, pis nenhuma agricultora era cooperada, só os maridos. “Se eu tivesse cruzado os braços e falado vou ‘largar do café’, ia continuar na mesma, mas como eu tive aquela coragem, abriram exceção para eu votar”, conta a agricultora.

Esse ato mudou toda a história da cooperativa. Depois de votar, a dona Maria José também foi a primeira a se filiar à Coopfam e, pelas portas abertas por ela, muitas passaram depois.

Ao longo dos anos, as agricultoras chegaram a criar um movimento dentro da cooperativa, chamado “Mulheres Organizadas em Busca de Independência”, o Mobi, que conta com cerca de 30 agricultoras que se encontram todos os meses para discutir melhorias para o negócio.

‘Café feminino’

Agricultoras do Sul de Minas cultivam cafés sustentáveis e orgânicos

Juntas, as agricultoras também criaram uma marca de cafés especiais, o Café Feminino.

O produto tem duas versões. Um deles é o sustentável, que segue cuidados específicos com o meio ambiente, como a proibição de alguns produtos químicos.

O outro é o orgânico, que não leva nenhum agrotóxico nem adubo sintético.

'Café feminino' — Foto: Reprodução Globo Rural

‘Café feminino’ — Foto: Reprodução Globo Rural

Por Globo Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Com 2,8 milhões de toneladas, o Brasil se posiciona como o maior exportador global de algodão, ultrapassando os Estados Unidos
Medida é para o enfrentamento das consequências sociais e econômicas decorrentes de eventos climáticos extremos no Rio Grande do Sul. O arroz será vendido ao consumidor pelo preço tabelado de R$ 4 por quilo
Projetos de lei que reduziriam a dependência brasileira da importação de fertilizantes, impulsionando a produção agropecuária sustentável e tornando o País mais competitivo.
Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca