Search
Close this search box.

Brasil se destaca na exportação de amendoim com alta de 40% em 3 anos

4 de outubro de 2023

País já é o sexto maior exportador de amendoim
Compartilhe no WhatsApp
Brasil se destaca na exportação de amendoim com alta de 40% em 3 anos

Quando o assunto são as exportações do agronegócio brasileiro, uns dos primeiros produtos que vêm à mente é a soja, de fato, o carro-chefe das vendas externas do país. Mas, nos últimos anos, outros cultivos nacionais vêm ganhando espaço lá fora. Um deles é o amendoim in natura. O Brasil começa a se posicionar como uma fronteira de exportação do produto. Os embarques cresceram 360% nos últimos dez anos. De 2019 a 2022, o avanço foi de 40%.

O amendoim nacional vem conquistando mercado — e deve continuar a avançar — porque o Brasil é um dos únicos produtores com espaço para ampliar a área de cultivo, tem clima favorável e tecnologia de produção e vem melhorando a qualidade do grão, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab) e setores da cadeia produtiva.

Entre 2019 e 2022, a produção nacional de amendoim subiu 60%, alcançando quase 900 mil toneladas. Só em 2022, as exportações do grão somaram 285,6 mil toneladas, o que gerou uma receita de US$ 333,4 milhões e levou o país ao 6º lugar no ranking mundial dos exportadores, liderado pela Índia, que ultrapassou a Argentina no ano passado.

Neste ano, de janeiro a agosto, foram quase 197 mil toneladas, alta de 11% sobre o mesmo período de 2022.

SP concentra produção de amendoim


O estado de São Paulo tem cerca de 65% da produção nacional de amendoim. Uma das regiões do estado que se destacam é a de Jaboticabal, onde há uma espécie de “casamento” com a cana-de-açúcar. O plantio de amendoim se dá quase exclusivamente em áreas de renovação de canaviais.

Em Tupã, outra importante região de produção, o cultivo também acontece em áreas de renovação de canaviais e de reforma de pastagens. O amendoim avança ainda em Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Apesar do crescimento dos últimos anos, há ainda potencial a ser explorado, como indica José Antonio Rossato, diretor da Coplana, cooperativa de Jaboticabal que exporta o produto. Para ele, o Brasil é “um gigante adormecido” no amendoim.

Segundo Rossato, o salto de produtividade começou no ano 2000, quando houve mecanização da atividade e as variedades eretas de cultivo manual foram substituídas pelas rasteiras desenvolvidas pelo Instituto Agronômico (IAC) e pela Embrapa.

Um número que dá dimensão do avanço do amendoim brasileiro no exterior é o de países que compram o produto. Desde 2010, ele mais que dobrou, saindo de 53 para 115, segundo a Abicab.

Conforme um estudo do Instituto de Economia Agrícola (IEA), cerca de 85% do total exportado foram destinados a 12 países: Rússia, Argélia, Holanda, Reino Unido, Espanha, Polônia, Colômbia, Turquia, Ucrânia, África do Sul, Austrália e Emirados Árabes Unidos.

No ano passado, o conflito entre Rússia e Ucrânia afetou as exportações do Brasil às duas nações, mas essa perda acabou compensada pelo aumento das vendas ao Reino Unido e à África do Sul e pela abertura de novos mercados, como a China, explica o presidente da Abicab, Jaime Recena.

A China é o maior importador mundial e acaba de ser visitada por uma missão empresarial liderada pela Apex, mas não é o foco dos exportadores por comprar praticamente só óleo bruto de amendoim. As exportações brasileiras do produto em 2022 somaram 152 mil toneladas, e 83% desse total foram para a China.

— O maior interesse dos exportadores brasileiros é atender a Comunidade Europeia, que exige mais certificações, mas paga de US$ 150 a US$ 200 a mais por tonelada de amendoim in natura do que Rússia, Ucrânia e China — comenta Recena.

No ano passado, o Brasil exportou 70 mil toneladas de amendoim aos países-membros da União Europeia. Há 58 empresas aptas a exportar, mas apenas 18 são certificadas para o mercado europeu.

Ante à perspectiva de que a demanda externa seguirá firme, a corrida é pelo aumento da produtividade. Em Jaboticabal, devido ao “casamento” com a cana, pesquisadores buscam variedades de amendoim de ciclo precoce, de 110 a 115 dias, mais produtivas e resistentes a pragas.

Hoje o ciclo de produção varia de 120 a 150 dias, dependendo da variedade, o que pode atrapalhar o período de plantio da cana.

Segundo o agrônomo Paulo Umberto Henn, da Cras Brasil, de Itaju (SP), líder na exportação de óleo de amendoim, a área de plantio na região de Tupã deve crescer 10% a 15% este ano:

— Isso pelos bons preços do amendoim e porque as usinas estão intensificando o corte da cana nas áreas de reforma. O grão concorre com a soja na renovação da cana, mas quem tem maquinário e equipe para o plantio das duas culturas está optando pelo amendoim, devido à queda do preço da soja.

Por Folha de Pernambuco

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.
Na comparação com a média diária de junho de 2023, há queda de 16,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em junho de 2024.
Em grande parte do Rio Grande do Sul, a colheita de arroz já foi finalizada