Search
Close this search box.

Brasil: potência agroambiental

26 de dezembro de 2023

o País caminha para mostrar como a agricultura pode impulsionar ainda mais a captura de CO2 e combater as mudanças climáticas, acelerando o aumento da produtividade.
Compartilhe no WhatsApp
Brasil: potência agroambiental

Na agropecuária, a busca por mais produtividade sempre foi uma obsessão de nossos produtores, visando aumentar a produção sem necessariamente ocupar mais terras e produzir em áreas tidas como de baixa fertilidade. O Brasil, com investimentos em inovação, tecnologia e pesquisa, tem feito com que a produção cresça ano após ano.

Agora, o País caminha para mostrar como a agricultura pode impulsionar ainda mais a captura de CO2 e combater as mudanças climáticas, acelerando o aumento da produtividade.

Em recente reunião do Conselho Superior do Agronegócio (COSAG) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), Roberto Perosa, destacou que a agropecuária nacional, que segue registrando aumentos de produção, ao mesmo tempo é responsável por 33,2% da área do território brasileiro destinado à preservação. Ou seja, mais de 22% do País tem vegetação nativa preservada dentro de terras privadas.

O mesmo estudo, da Embrapa Territorial, identificou 160 milhões de hectares de pastagens, sendo 100 milhões consideradas pastagens com algum grau de degradação. Desse total, entre 40 e 50 milhões de hectares foram mapeados como áreas com aptidão para agricultura.

Diante disso, o MAPA já encaminhou um decreto criando o Programa de Conversão de Pastagens Degradadas em Áreas Agricultáveis, que foi publicado em 05 de dezembro, dia seguinte à citada reunião na Fiesp. O programa prevê a recuperação de 40 milhões de hectares de pastagens degradadas, com investimento de US$ 120 bilhões ao longo dos próximos dez anos. Financiamentos serão oferecidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pelo Banco do Brasil (BB), instituições com capilaridade no agronegócio para incentivar o manejo ao pequeno e médio produtor.

Se o Brasil já conseguiu produzir mais sem necessariamente aumentar a área plantada, qual o sentido do programa para regenerar pastagens degradadas?

A verdade é que, segundo dados da Embrapa, considerando o balanço de emissões de carbono pelo solo no setor agropecuário, as pastagens bem manejadas têm maior potencial de mitigação de emissões e captura de carbono que florestas plantadas, por exemplo. E a Embrapa desenvolve tecnologias para a recuperação e conversão de pastagens desde 2010, quando foi criado o Plano ABC para agricultura de baixo carbono.

Desse modo, além da aumentar a produtividade, ganha o meio ambiente com a regeneração de pastagens degradadas. Na lavoura, espera-se incremento de até 61% da produtividade para grãos, especialmente soja e milho, após o prazo de cinco anos. São áreas de baixa produtividade que serão recuperadas, produzindo mais e colaborando de forma decisiva para a essencial captura de CO2.

É a transformação gradual do Brasil na maior potência agroambiental do planeta.

Por: Jacyr Costa Filho é presidente do Cosag – Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, sócio da Consultoria Agroadvice e conselheiro de empresas.

De: Jornal da Cana

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

São 21% com pastagem, 8% com agricultura e 1% com florestas plantadas
Encontrando Equilíbrio entre Sustentabilidade e Desempenho Atlético
o Dia Mundial das Leguminosas ocorre todos os anos em 10 de fevereiro. São as Nações Unidas que fixaram esta data desde 2019, sendo uma oportunidade para destacar os benefícios nutricionais das leguminosas e a sua contribuição para sistemas alimentares sustentáveis ​​e para um mundo livre da fome.
Além de aumentar as vendas do segmento, a estratégia tem baixo custo e permite alcançar melhor o público agrícola especializado