Brasil abocanhará 29% do mercado mundial de carne bovina

Relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos aponta uma alta de 41,8% no fluxo de exportação brasileira nos próximos nove anos.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Brasil abocanhará 29% do mercado mundial de carne bovina
O Brasil será responsável por 29% das exportações mundiais de carne bovina em 2030.
Áudio

O Brasil será responsável por 29% das exportações mundiais de carne bovina em 2030, segundo o relatório mais recente do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Efetivar esse prognóstico depende, em grande parte, de nos mantermos firmes na busca da melhoria da gestão, da produção sustentável, sempre com empreendedorismo e tendo como base a melhor tecnologia tropical que seja possível desenvolver.

Os dados do documento apontam que o volume de exportações brasileiras do produto deve registrar uma alta de 41,8% nos próximos nove anos. O Brasil vai seguir como o principal exportador de carne bovina do mundo, seguido pelo país norte-americano, que representará uma fatia de 11,4% do mercado.

Segundo o relatório, o aumento no volume de exportações do Brasil deve acontecer por dois fatores: a maior demanda mundial por carne bovina e a estagnação dos outros países na exportação do produto.

De acordo com os dados, os Estados Unidos e os países da União Europeia, principais concorrentes da carne brasileira, devem registrar níveis estáveis de exportações entre 2021 e 2030. Para suprir a demanda externa, a produção no país também deve ter um aumento.

Segundo o relatório, o setor pecuário brasileiro produz anualmente cerca de 10 milhões de toneladas do produto atualmente. Em 2030, a expectativa é que a produção salte para aproximadamente 12,4 milhões. Apesar do Brasil ser o maior responsável pela exportação mundial de carne bovina, os Estados Unidos permanecem como o maior produtor desse tipo de produto, com uma produção anual aproximada de 13,3 milhões de toneladas da proteína.

A doutora em economia e pesquisadora associada do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Ana Cecília Kreter, aponta que o mercado interno do país norte-americano consome mais carne bovina do que a população brasileira, o que reduz o volume de produto a ser exportado pelo EUA.

Screenshot 216

A especialista em pecuária explica que o fator econômico é um dos principais responsáveis pela menor demanda da proteína animal dentro do Brasil. “O mercado doméstico dos Estados Unidos tem uma preferência para esse tipo de proteína. É um hábito cultural deles, assim como dos brasileiros, de comer muita carne. No entanto, o poder aquisitivo é que define qual proteína animal será mais consumida dentro do nosso país”, disse.

“Nós constatamos, no último trimestre, o aumento no consumo de proteínas mais baratas, como a carne de frango e o ovo. Mas, se esta parte da população pudesse, ela não iria preferir comer carne de melhor qualidade”? Indagou a economista do IPEA.

A análise de todos esses números mostra que o Brasil não só continuará entre os maiores produtores e fornecedores de carne bovina do mundo, mas como tem as melhores condições para ser o protagonista.

Fonte: Compre Rural

Crédito: Divulgação iStock

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Para especialistas, desempenho exportador das carnes neste início de 2022 é bastante satisfatório, mas o preço da carne suína registra queda anual próxima de 10%
Também nos bovinos, os nutrientes desempenham funções essenciais no organismo; então, atenção para quando ele faltarem na forragem oferecida, Carência muito comum no País
Os dados constam do banco da Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares (ANC), entidade mais antiga de registro de animais de raça do país
Segundo RTP, um grupo empresarial chinês prevê que China vai importar mais carne bovina brasileira agora em 2022. Uma boa notícia