Search
Close this search box.

Brasil é reconhecido pela segunda vez como país exportador de cacau com 100% de qualidade

21 de junho de 2023

A aprovação ocorreu em Madagascar, na África Ocidental, em evento do Conselho Internacional de Cacau
Compartilhe no WhatsApp
Brasil é reconhecido pela segunda vez como país exportador de cacau com 100% de qualidade

Em uma demonstração de compromisso e continuidade, o Brasil mais uma vez foi reconhecido como país exportador de cacau com 100% de qualidade. A aprovação ocorreu durante painel realizado em Madagascar, na África Ocidental, nos dias 13 e 14 de junho, pelo Conselho Internacional de Cacau. Durante o evento, foi emitida recomendação internacional para que o Brasil seja mantido como exportador exclusivo do produto. Além disso, foi reconhecido o dinamismo da indústria brasileira do setor, principalmente as características únicas da fruta do bioma amazônico.

Pesquisadores brasileiros estiveram no encontro para defender o certificado de qualidade do cacau exportado. Entre eles, o representante da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Sustentável, Irrigação e Cooperativismo (SDI).

Para a secretária da SDI, Renata Miranda, a conquista reforça o comprometimento com a inovação e a sustentabilidade da produção cacaueira. “Temos grandes oportunidades de mercado com o cacau brasileiro – o único que integra o alto nível de qualidade reconhecido neste momento, como também práticas socioambientais únicas no mundo”, declarou.

A reunião, promovida com representantes e pesquisadores dos países exportadores do ramo, deliberou sobre a revisão do anexo “C” do Acordo Internacional do Cacau, de 2010. O conselho avaliou as especificidades do produto de 29 países da América do Sul, América do Norte, África, Europa, Ásia e Oceania, e destes, somente oito tiveram aprovação total. Nos relatórios também foram observadas a economia sustentável, a viabilidade econômica e a responsabilidade social em todas as fases da cadeia de produção.

Por: Mapa

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca
Rio grande do Sul havia colhido grande parte de sua produção de arroz antes das inundações
Este atraso da colheita pode ser atribuído a diversas condições climáticas adversas, especialmente no estado do Rio Grande do Sul.
Investimento em usina foi possível devido ao financiamento do Sicoob