Search
Close this search box.

Avanço científico: primeira calculadora de carbono para solo tropical se torna realidade

30 de maio de 2023

Parceria público-privada entre Bayer, Embrapa, ADM e Grupo Bom Futuro entrega a primeira carga de soja brasileira com pegada de carbono mensurada e rastreada
Compartilhe no WhatsApp
Avanço científico: primeira calculadora de carbono para solo tropical se torna realidade
Soja no transbordo: Bayer entrega a primeira carga de soja brasileira com pegada de carbono mensurada, rastreada e livre de desmatamento (REUTERS/Paulo Whitaker/Reuters)

De um lado, a lavoura do milho prestes a ser colhido. Do outro, a vegetação nativa do cerrado. Neste cenário simbólico em Matupá, no Mato Grosso, composto de commodity e floresta, aconteceu o lançamento da primeira calculadora de mensuração de pegada de carbono no Brasil, voltada para quantificar as emissões ao longo de toda a cadeia produtiva da soja. E mais: inteiramente pensada para a realidade do clima tropical.

Resultado de uma parceria público-privada entre o gigante Bayer e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a calculadora PRO Carbono Footprint considera uma série de informações embutidas em sistema para mensurar a pegada de CO2 desde o pré-plantio até a entrega do grão ao mercado consumidor. O feito é grande, à medida que as ferramentas de cálculo até então tinham base metodológica europeia e, portanto, de clima temperado.

Nesta quarta-feira, 25, durante evento da iniciativa PRO Carbono, em Matupá (MT), entidades e empresas da cadeia agropecuária, como Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e o frigorífico JBS demonstraram interesse em aderir à nova calculadora.

Informações como produtividade média da área, quantidade de insumos aplicados e volume de combustível gasto nas operações são alguns dos dados fornecidos à calculadora. Ela equaciona a pegada de carbono em cada talhão, cujas informações são lastreadas em uma metodologia com reconhecimento internacional, considerando a análise do ciclo de vida da soja.

Silvia Masshurá, presidente da Embrapa, explica que a criação da calculadora surgiu por uma necessidade científica e mercadológica.

“São precisos números para mostrar a pegada de carbono, com metodologia científica para ter credibilidade no mercado e poder levar as tecnologias para o campo. Por detrás desse projeto de medição de uma soja livre de desmatamento, precisamos trazer os indicadores”, afirma.

A automação da calculadora em sistema blockchain garante que não haja intervenção manual nos dados coletados.

Soja livre de desmatamento

Foi a nova calculadora ‘made in Brazil’ que permitiu à multinacional Bayer entregar a primeira carga de soja brasileira com pegada de carbono mensurada, rastreada e livre de desmatamento, de acordo com protocolos internacionais do Deforestation and Conversion Free Soy (DCF). A negociação envolveu a produção de dez agricultores brasileiros localizados nos biomas cerrado e Amazônia, em uma área total de 159 mil hectares, e a trader ADM, gestora e processadora da cadeia de suprimento agrícola.

Os grupos Bom Futuro, Scheffer, Masutti, SLC Agrícola, Natter, Fedrizzi e Grupo Parmeggiani são alguns dos participantes da iniciativa da Bayer.

A partir de culturas com manejo sustentável, como rotação de cultura e plantio direto, o programa registrou dados primários das áreas referentes a 240 mil toneladas de soja e contabilizou uma pegada média de carbono de 861,55 CO2 equivalente por tonelada.

A diferença é considerável quando comparada à pegada de carbono na soja com valores disponíveis nas bases de dados reconhecidas internacionalmente, cuja indicação média é de 2.600 quilos de CO2 equivalente por tonelada.

“Essas bases comparativas são uma referência para avaliar a eficiência do processo produtivo. À medida que o conhecimento científico avança, essas referências devem ser constantemente atualizadas para permitir informações mais precisas. Então, a calculadora vai travar os dados e as informações são disponibilizadas para traders, com lastro através dos volumes colhidos”, diz Fabio Passos, diretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina.

Fabio Passos, diretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina

Em Matupá (MT), Fabio Passos, diretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina, fala sobre o lançamento da calculadora e do projeto PRO Carbono Commodities (Mariana Grilli/Exame)

A agregação de valor que interessa

A carga de soja produzida com pegada mensurada é um interesse explícito de toda a cadeia produtiva, reflexo da pressão internacional e agravada pela assinatura do Green Deal, na Europa. Eraí Maggi Scheffer, acionista majoritário da Bom Futuro Agrícola, olha a cobrança por transparência de forma positiva, “uma maneira de separar o joio do trigo”.

“Lógico que podemos ter melhor preço por tonelada e agregação de valor através do baixo carbono. [O PRO Carbono] é um modelo ímpar com seriedade. O empresário vai se adequar por metro quadrado. A exigência lá de fora não é tão ruim assim como se imagina, pois o produtor também vai estar atento a tecnologias de maior produtividade e ter remuneração, então dentro da propriedade ele vai ser mais rentável”, diz Eraí.

Auditada pela Bureau Veritas como terceira parte independente e em consonância com análises socioambientais, as análises de dados — incluindo o que é computado na calculadora — busca atestar a não sobreposição com terra indígena ou território quilombola e unidades de conservação, condições de trabalho análogas à escravidão, lista de áreas embargadas pelas autoridades de meio ambiente (Ibama, Sema e ICMBio), além da conformidade ambiental com o Código Florestal e avaliações do Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Com esse sistema de rastreabilidade via QRCode e blockchain, a expectativa é positiva também pelo lado da trader. Segundo Luciano Souza, diretor de grãos da ADM América do Sul, a commodity traz uma dificuldade maior em relação à rastreabilidade, algo que ele diz que espera ser superado com a plataforma cocriada entre Bayer e Embrapa.

“Temos condições de falar que determinada quantidade de soja em um armazém, caminhão, barcaça, navio, consegue chegar ao destino, assegurando que saiu daqui com procedência e segurança. Indústrias de alimento que demandam soja, seja no farelo ou óleo, querem da gente essa rastreabilidade. É um processo que está sendo desenvolvido do produtor à agroindústria”, diz.

Tanto Bom Futuro quanto ADM falam em agregação de valor ao grão e a expectativa de um preço superior ao que é pago em bolsas de valores. O caminho até lá ainda precisa ser trilhado, mas os passos da metodologia de mensuração e blockchain já sinalizam um bom atalho.

Por Exame

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Gigante de máquinas justifica aporte dizendo ter interesse em tecnologias que ajudem seus clientes a ter margens maiores
Mais que um café premium, o café de Jacu, produzido a partir de fezes desta ave, carrega um legado importante na preservação ambiental.
Volume da moagem representa um avanço de 18,95% em relação ao mesmo período do ciclo 2022/23
Durante a cerimônia da Abertura da Colheita também foi assinado um convênio entre o Ibraoliva e o Ministério da Agricultura e Pecuária