Search
Close this search box.

Aplicativo Nutri Meio-Norte orienta produtor de soja no combate à falta de fertilizantes

21 de setembro de 2022

Em poucos segundos de manejo, o aplicativo Nutri Meio-Norte já disponibiliza um balanço nutricional da plantação de soja, com a quantidade de nutrientes e corretivos que a lavoura necessita
Compartilhe no WhatsApp
Aplicativo Nutri Meio-Norte orienta produtor de soja no combate à falta de fertilizantes
A produção de soja é a que mais tem sentido a escassez e os altos preços dos fertilizantes – Foto: RR Rufino

O aplicativo Nutri Meio-Norte, módulo soja, tem sido recomendado pela Embrapa para os produtores dos cerrados do Piauí e do Maranhão, que iniciam o plantio quinzena de outubro. 

No início de fevereiro, 50 quilos de um saco de fertilizantes, custava R$ 35,00. Hoje, já é vendido a R$ 420,00. Os russos estão em segundo lugar na produção de fertilizantes, enquanto o Canadá é o maior produtor. O Brasil ainda tropeça na produção de fertilizantes e importa 95% da reserva de reserva como usada nas cinco regiões do País.

Ao ser baixado em um smartphone ou tablet, o agricultor poderá usar o aplicativo gratuitamente na internet pelos sistemas Android (Play Store) e iOS (App Store). Em poucos segundos de manejo, o Nutri Meio-Norte já disponibiliza um balanço nutricional da plantação de soja, com a quantidade de nutrientes e corretivos que a lavoura precisa. Essa tecnologia traz velocidade, precisão na gestão de uma lavoura de soja e economia, já que a cultura necessita de insumos cotados em dólar.

Passo a passo para usar o aplicativo

Em poucos passos, através do aplicativo, o produtor pode obter esse balanço nutricional, como orienta o pesquisador Henrique Antunes, da Embrapa Meio-Norte, um dos responsáveis pelas informações técnicas. “Primeiro, ele tem que realizar a análise foliar da lavoura, feita por um laboratório especializado. Após abrir o aplicativo, o agricultor deverá inserir na página “análise foliar” dados obtidos na análise laboratorial das amostras de sua lavoura, como as quantidades dos macro e micronutrientes encontrados. Depois, ele deve escolher o método de análise, Recomendação e Dianóstico (DRIS) ou Diagnose da Composição Nutricional (CND), e clicar no botão “enviar”.

“Em seguida – prossegue – aparecerão os índices nutricionais em formato de gráficos de barra e radar. Ele deve clicar, então, em “gerar relatório” para abrir um formulário a ser preenchido sobre dados da propriedade, em talhão ou lavoura, como área plantada, data da coleta da folha diagnóstica e algum manejo realizado na área”, indica.

Finalmente, ao clicar em “baixar”, os resultados gerados são armazenados no dispositivo em forma de relatório que pode ser compartilhado por e-mail ou programas de mensagens, como o WhatsApp O cientista destaca que, com o resultado, o produtor pode “adequar a adubação e ter eficiência no uso de nutrientes”.

A análise de tecido vegetal, que é conhecida também como análise foliar, tem como princípio básico de amostragem a seleção de partes da planta, como as folhas. No cerrado piauiense, hoje, as análises são feitas no laboratório de solo da Universidade Federal do Piauí (UFPI), no município de  Bom Jesus, a 603 quilômetros ao sul de Teresina. No Maranhão, os produtores podem procurar o laboratório Terra Brasileira, no município de  Balsas, a 799 quilômetros de São Luís.

Apresentado em versão final no AgroBalsas 2019, o aplicativo Nutri Meio-Norte foi desenvolvido em 2018 pelo então estagiário de tecnologia da informação Filipe Ribeiro Chaves, da Associação de Ensino Superior do Piauí (Aespi-FAPI), em Teresina,  da equipe vencedora da maratona Hackathon Acadêmico Embrapa 2017, no Piauí. A tecnologia foi construída para ser uma plataforma digital ampla, segundo Antunes. O próximo passo é desenvolver um módulo com  feijão-caupi (feijão-de-corda), que também apresentará o balanço nutricional da planta.

Fonte: Embrapa Meio-Norte

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O estudo indicou que a conectividade no agro, que antes era uma novidade, agora se tornou uma tendência emergente.
Os pesquisadores vão debater projetos e ações para o desenvolvimento sustentável da piscicultura na Amazônia com uso de tecnologia.
Empresa tem como produtos biofertilizantes e biocombustíveis produzidos a partir da sanitização de resíduos orgânicos que podem ser utilizados no campo.
Modificações na agricultura por intermédio da tecnologia e inovação tentam minimizar os impactos da produção de alimentos no meio ambiente e tornar o setor mais eficaz e sustentável. Um sensor ajuda no processo