Search
Close this search box.

Agronegócio deve responder por 24,5% do PIB do Brasil em 2023

30 de junho de 2023

O PIB do agronegócio brasileiro apresentou um ligeiro avanço de 0,19% no primeiro trimestre de 2023, aponta levantamento do Cepea/CNA
Compartilhe no WhatsApp
Agronegócio deve responder por 24,5% do PIB do Brasil em 2023

Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro, calculado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), registrou um leve crescimento de 0,19% no primeiro trimestre de 2023.

De acordo com o Cepea, o resultado modesto refletiu as diferentes tendências nos preços e volumes.

Por um lado, o crescimento do PIB foi impulsionado pela safra recorde no campo, que também gerou um aumento nos serviços agrícolas no país.

Por outro lado, o desempenho do PIB foi prejudicado pelos preços desfavoráveis no setor, com reduções em relação ao primeiro trimestre de 2022 para vários dos principais produtos agropecuários e agroindustriais.

Considerando também o desempenho geral do PIB brasileiro no período, estima-se que a participação do agronegócio na economia fique em torno de 24,5% em 2023, ligeiramente abaixo dos 25% registrados em 2022.

Setor agrícola no 1º trimestre

segmento agrícola apresentou um crescimento de 0,66%, impulsionado pelos bons resultados no segmento primário, na agroindústria e nos serviços agrícolas.

No entanto, o setor de insumos teve um recuo devido à desvalorização dos fertilizantes e defensivos.

No segmento primário, apesar da queda nos preços de muitos produtos, o crescimento foi impulsionado pela expectativa de uma safra recorde de grãos, bem como maiores produções esperadas de café e cana-de-açúcar.

O PIB também foi beneficiado pela redução nos preços dos fertilizantes e defensivos em comparação a 2022.

Na indústria, o crescimento do PIB foi impulsionado pela redução nos custos com insumos, uma vez que a produção industrial teve uma queda modesta e os preços dos produtos também diminuíram.

No caso dos serviços agrícolas, o crescimento do PIB foi principalmente devido ao bom desempenho no setor agrícola.

Isso resultou em uma maior demanda por serviços de transporte, armazenagem, comércio e outros serviços relacionados, como serviços financeiros, contábeis, jurídicos e de comunicação.

Pecuária

No primeiro trimestre de 2023, o segmento pecuário registrou uma queda de 1,09%, influenciada pelas baixas observadas em todos os quatro segmentos.

No segmento de insumos, o desempenho negativo foi principalmente devido à diminuição dos preços das rações e medicamentos veterinários.

No segmento primário pecuário, a retração ocorreu devido à diminuição do valor bruto da produção esperado para o ano, mesmo com uma certa redução nos custos com insumos.

A queda no valor da produção refletiu os preços mais baixos do gado bovino e aves de corte, embora seja esperado um aumento na produção em todas as atividades pecuárias, exceto no setor leiteiro.

Na agroindústria pecuária, apesar do aumento estimado na produção de carnes, o PIB também foi afetado pelos preços desfavoráveis da carne bovina e dos couros bovinos.

No setor de serviços pecuários, a queda acompanhou as reduções observadas nos outros segmentos.

O fraco desempenho do segmento pecuário, com valores brutos da produção pressionados pelos preços desfavoráveis, também pode ter afetado a demanda por serviços de forma negativa.

Por Canal Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Em 2022, quando a Guerra na Ucrânia começou, houve um salto de 188% nas exportações de fertilizantes de Israel ao Brasil
Para Arnaldo Jardim, tendência é a ampliação das possibilidades do produto
Esse fenômeno tem gerado impactos positivos no desenvolvimento de municípios do Piauí que, anteriormente, apresentavam indicadores econômicos mais modestos, transformando suas realidades.
Ambiente de negócios aponta para encurtamento das escalas de abate, o que pode levar ao maior apetite de compra