Search
Close this search box.

AgroApp facilita produtor fazer consultas direto do campo

7 de janeiro de 2023

Compartilhe no WhatsApp

Com a função offline do AgroApp, é possível identificar pragas e doenças na plantação, mesmo quando o aplicativo não está conectado à internet

O período de pós-plantio requer uma atenção especial do produtor agrícola para com as doenças e pragas que podem acometer sua lavoura. Neste momento, agir rápido é vital. O tempo perdido tirando fotos da lavoura afetada, consultando um agrônomo, esperando respostas e instruções pode significar prejuízos cada vez maiores.

Pensando em agilizar o processo de identificação e combate às pragas e doenças, o AgroApp disponibiliza ao agricultor uma larga base de dados, que pode ser acessada mesmo quando o usuário está sem internet, com informações sobre as diferentes intempéries que podem acometer sua produção agrícola.

Tradicionalmente, é necessário fazer um registro fotográfico das plantações afetadas, levar o problema até uma empresa de ‘assistência técnica’, consultar um agrônomo, e, mesmo com o auxílio das tecnologias da informação, ainda é necessário ter acesso à internet ou ao sinal de telefone para contactar um especialista. Mas, com o AgroApp, o produtor pode, mesmo em uma situação de difícil comunicação, ter ciência e explicações iniciais sobre o que está acontecendo em meio à cultura, sem ter que voltar à sede da fazenda a todo momento.

No meio de uma maré de dificuldades e com as margens de lucro apertadas, é importante otimizar o tempo e os recursos envolvidos na produção agropecuária. Com este intuito, a informação é uma ferramenta indispensável e tê-la, mesmo sem acesso à rede telefônica ou à internet é uma grande vantagem ao produtor rural brasileiro, uma vez que, em nosso país, o acesso às tecnologias de informação ainda é, via de regra, bastante precário nas zonas rurais.

O AgroApp: como surgiu

Nascido de uma iniciativa que buscava integrar quem trabalha na agropecuária com as mais modernas tecnologias de informação, o aplicativo foi idealizado pelo engenheiro agrônomo Murilo de Freitas Iossi em conjunto com o produtor rural Fernando Rossi de Oliveira e a StartUp que o tirou do papel foi fundada em 31 de janeiro de 2020.

Tanto Iossi quanto Rossi entendem a dificuldade de acessar informações preciosas direto da lavoura e, por isso, uma das principais missões do AgroApp é justamente informar o produtor rural, mesmo que ele esteja onde a tecnologia geralmente não alcança. “Criamos e investimos no aplicativo porque não tínhamos acesso à informação concisa e na palma da mão, nos nossos locais de trabalho, que são, geralmente, no meio das culturas”.

Atualmente, o AgroApp ainda conta com a expertise do investidor Braz Peres. Se Iossi é entendedor da Agronomia e Oliveira tem a experiência do produtor rural, Peres traz ao time seu profundo conhecimento em tecnologias no campo. Segundo ele, os pilares da iniciativa por trás do AgroApp são: Democratização da Informação, Responsabilidade, Respeito à Ciência e Conhecimento Técnico.

Mesmo sem internet, produtor pode consultar direto do campo informações importantes em aplicativo

Sobre o AgroApp

O AgroApp é um aplicativo voltado para profissionais do campo com informações sobre as diferentes culturas agrícolas, insumos, equipamentos, notícias sobre o mundo do agro, cotações, além de criar um ambiente virtual comunitário, onde os usuários conseguem enviar – e sanar – dúvidas, avaliar produtos e compartilhar dicas de forma rápida e dinâmica, com acompanhamento de uma equipe de engenheiros agrônomos. Lançado em 2020 e idealizado por profissionais do agronegócio, o AgroApp pode ser baixado gratuitamente na AppStore da Apple ou no Google Play, para Android. Ele também pode ser usado off line, o que é essencial no campo.

Por Assessoria Flatonin

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Estado é o maior produtor da região Norte
Segundo o IBGE, 90% das empresas têm perfil familiar no Brasil, respondem por mais da metade do PIB, e empregam 75% da mão de obra do país.
Número de produtores de sementes registrados no Mapa passou de 7 para 27 em menos de dez anos; área de campos de produção quadruplica no país
Professor europeu visitou Unidade da Epamig em Viçosa para conhecer o trabalho de perto e disse que gostaria de levar nossa tecnologia para seu país