Agro se mobiliza em prol da segurança alimentar

Lideranças do agronegócio brasileiro se unem para combater a fome entre a população mais pobre
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
segurança alimentar
Áudio

Por iniciativa do presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, do diretor-geral do Senar, Daniel Carrara, e do presidente do Sistema OCB, Marcio Lopes, o IPA foi convidado a participar do programa Brasil Fraterno, do governo federal, que objetiva garantir segurança alimentar à população.

O presidente do IPA, Nilson Leitão, se comprometeu a ouvir cada entidade para saber como cada uma pode ajudar com as respectivas estratégias. “Vou sentar e conversar com cada um, precisamos delimitar prazos e lançar a campanha”.

Nilson destacou a importância do tema e como o agro deve ter atuação constante no auxílio à redução da pobreza no país. “As entidades passaram a entender a gravidade do problema e suas responsabilidades, e o IPA vai organizar um grupo de trabalho para auxiliar a ministra.”

A ministra Tereza Cristina agradeceu o espírito de colaboração e destacou que a campanha é uma prioridade do ministério, além de garantir a participação de outros envolvidos no projeto. “Podem me ligar para resolver qualquer problema, isso é prioridade para mim. A Secretaria Executiva e o Ministério da Cidadania estarão nos acompanhando também.”

Segundo Tereza Cristina, os brasileiros mais vulneráveis não serão desamparados e podem contar com o governo federal. “Não vamos faltar com os que estão passando dificuldades, as ideias que surgirem serão muito bem-vindas para tirar as pessoas dessa situação”.

Comida e remédio na segurança alimentar

O diretor executivo da Associação Brasileira da Batata (ABBA), Natalino Shimoyama, lembrou a força do agro para garantir empregos e contribuir para a diminuição da fome no Brasil. “O emprego é imprescindível, precisamos empregar pessoas sem escolaridade, ou idosos que possuem menos oportunidades, mas precisam trabalhar para comprar comida e remédio”, disse.

O diretor da ABBA também se comprometeu a conversar com lideranças de empresas para auxiliar de forma concreta na campanha. “Farei uma reunião na câmara setorial de hortaliças em prol desse projeto que acredito”, adiantou Shimoyama.

Cesário Ramalho, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), ressaltou a homogeneidade dos discursos e a obrigação que cada um tem em melhorar o país. “Estamos vendo de perto o sofrimento, a dificuldade de renda e precisamos unir nossas falas para melhorar a vida do mais pobre. O agro tem obrigação de dar a sua colaboração”, assinalou Cesário.

Ismael Perina, vice-presidente do IPA e representante da Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil (ORPLANA), vislumbra na união das entidades uma rede que vai possibilitar a realização de um grande projeto. “A CNA, com as federações e sindicatos, a OCB, com as cooperativas, todos sensibilizados para trabalharem nessa causa”.
Perina ressaltou ainda a responsabilidade do agro no sucesso do Brasil. “O envolvimento constante do agro vai produzir a mudança real que queremos.”

O presidente do Instituto Pensar Agropecuária (IPA), Nilson Leitão, estabeleceu a próxima quinta-feira (29) como a data limite para encaminhar à ministra Tereza Cristina as datas dos novos passos do projeto.

A reunião da FPA, IPA, CNA, OCB e demais entidades ocorreu na terça-feira (27/04).

Fonte: Agro em dia

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Linhas de financiamento para investimento foram as mais procuradas no período com alta de 50%, em comparação com o plano safra anterior.
O programa tem como premissa um modelo de exploração sustentável, com respeito ao solo
Medida foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional e é importante para financiar projetos do agronegócio
Esse prêmio é um dos mais prestigiosos do mundo para o assunto de proteção de cultivos, das safras e também de agricultura digital