Search
Close this search box.

Agrishow termina com R$ 13,608 bilhões em intenções de negócios

6 de maio de 2024

O valor indica um crescimento de 2,4% em relação à edição 2023
Compartilhe no WhatsApp
Agrishow termina com R$ 13,608 bilhões em intenções de negócios

Os organizadores da Agrishow – 29ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação, que começou no domingo (29), e terminou nesta sexta-feira (3), em Ribeirão Preto (SP), informaram que a edição deste ano registrou um volume recorde de intenções de negócio da ordem de R$ 13,608 bilhões. O valor indica um crescimento de 2,4% em relação à edição 2023, quando foram anunciados R$ 13,29 bilhões.

A feira, considerada a maior da América Latina, tem à frente a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), a Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (Faesp) e a Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), sendo os maiores patrocinadores o governo federal, o Banco do Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) e Caixa Econômica Federal.

Com 800 expositores ocupando uma área de 530 mil metros quadrados de área, em um total de 25 quilômetros de ruas, a Agrishow recebeu um público de cerca de 195 mil pessoas, número também equivalente ao da edição anterior.

“Mantivemos os visitantes e aumentamos as intenções de negócios. E esperamos que para o próximo ano o agronegócio brasileiro possa estar ainda mais forte e pujante”, disse em comunicado João Marchesan, da Abimaq e presidente da Agrishow. O valor anunciado é uma estimativa e que provavelmente não será confirmada, já que raramente os 800 expositores relatam dados financeiros fechados de edições passadas. Mas é fato que a venda de máquinas, como tratores e colheitadeiras, representa a maior fatia de intenção de negócios.

O Banco do Brasil, que participa da feira desde que ela foi lançada em 1994, informou na quinta-feira (2), que havia atingido a marca de R$ 3,2 bilhões em propostas, sendo a maior procura por crédito entre todas as feiras das quais participa. O banco realizou 320 eventos pré-feira.

“Bater o recorde histórico de acolhimentos de propostas é resultado do trabalho conjunto dos colegas de diversas áreas negociais do BB. Mais uma vez atuamos para ser próximos e relevantes na vida dos nossos clientes produtores rurais, reforçando os nossos negócios e atendendo às necessidades do pequeno, do médio e do grande produtor”, disse Tarciana Medeiros, presidenta do BB, que se reuniu com clientes e empresários, e deu uma palestra no estande da instituição.

Entre os expositores é uma prática a abertura de negociações pré-feira, para serem fechados no período de realização do evento. Ricardo França, superintendente executivo e head de agronegócios do Santander, banco com o objetivo de fechar R$ 2 bilhões em negócios durante a feira, diz que é praxe chegar na feira com cerca de 60% dos clientes captados anteriormente, e o restante 40% vindo da expertise das equipes comerciais deslocadas para o evento. “Lá atrás, elas já sabem quem virá, o pedido que será feito e aí se fecha na feira, com o preço de feira, tem aquele atrativo a mais. Nesse ano, vimos as equipes com muito menos negócios fechados antes”, diz França.

Gustavo Freitas, diretor de crédito do Sicredi (Sistema de Crédito Cooperativo), que chegou na Agrishow com a ambição de fechar R$ 1,2 bilhão em negócios, sendo boa parte para custeio, afirma boa parte dos produtores miram o Plano Safra 2024/25, que começa a valer a partir de 1 de julho. “Os produtores fizeram os protocolos agora e vão consolidar as compras depois com o novo Plano Safra, que deve chegar com taxas de juros mais atraentes que as atuais.”

Por Forbes Agro

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Para participar é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único e viva no meio rural, com renda mensal de até R$ 218 por integrante
Reunião para discutir o tema foi realizada na terça (21), em Brasília
Em 2023, a CNI contabilizou 85 entraves às exportações nacionais contra 77 no levantamento do ano anterior