Search
Close this search box.

Abag clama pela intervenção do governo contra invasões de terra

23 de fevereiro de 2023

Desde o último sábado (18), 11 propriedades foram invadidas em São Paulo, Mato Grosso do Sul e no Paraná
Compartilhe no WhatsApp
Abag clama pela intervenção do governo contra invasões de terra

A Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) é mais uma entidade ligada ao setor produtivo a repudiar publicamente a onda de invasões de terra que afeta, desde o último sábado (18), Mato Grosso do Sul, o Paraná e, principalmente, o estado de São Paulo. Em nota, a entidade cobra ação por parte das autoridades.

“[A] Abag repudia todo e qualquer ato de invasão a propriedades, públicas ou privadas, destinadas à produção agroindustrial e clama para que o atual governo intervenha junto às lideranças dos movimentos insurgentes no sentido de apaziguar a vida no campo, para que a agricultura e a pecuária brasileiras continuem sendo a locomotiva da economia nacional”, afirma a associação em comunicado divulgado na manhã desta segunda-feira (22).

A equipe da Abag reforça, ainda, que o agronegócio é responsável por cerca de 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. O setor, contudo, poderá ser afetado caso invasões de terra voltem a crescer no país. De acordo com a entidade, esse tipo de movimento afasta investidores e, além disso, podem motivar campanhas internacionais contra o país.

“Clima de insegurança e desestímulo a quem planeja investir em um setor de grande importância para a economia nacional” — Abag

“Um país que está em ampla campanha na busca de investidores, nacionais e internacionais, para a garantia de seu desenvolvimento econômico-social, não pode mais conviver com invasões a propriedades rurais como novamente estamos assistindo nessas últimas semanas, por criar um clima de insegurança e desestímulo a quem planeja investir em um setor de grande importância para a economia nacional pela sua pujança e organização”, pontua a entidade, que ressalta: imagina que esse tipo de ação tinha sido ultrapassado e excluído do Brasil.

Apesar do clamor externado pela Abag, nenhum órgão do governo federal se pronunciou — ao menos até o momento — sobre as recentes invasões de terra.

As invasões de terra nos últimos dias

invasões de terra - 2

Criada em 2014 por José Rainha Júnior, ex-líder do MST, a Frente Nacional de Lutas Campo e Cidade (FNLassumiu a autoria de onze invasões de terra desde o último fim de semana. Em ação intitulada pelo grupo como “Carnaval Vermelho”, as seguintes propriedades foram invadidas:

  • Mato Grosso do Sul

Fazenda Fernanda — Japorã.

  • Paraná

Terra da extinta Polar — Ponta Grossa.

  • São Paulo

Fazenda Floresta — Marabá Paulista.

Fazenda São João — Marabá Paulista.

Fazenda São Lourenço — Rosana.

Fazenda São Domingos — Sandovalina.

Fazenda Santana — Planalto do Sul (distrito do município de Teodoro Sampaio).

Fazenda Santa Rosa — Mirante do Paranapanema.

Fazenda Santo Antônio — Presidente Epitácio.

Fazenda São José — Planalto do Sul (distrito do município de Teodoro Sampaio).

Prédio residencial em obras — Sorocaba.

SRB e presidente da FPA repudiam atos

invasões de terra - 3

Foto: FNL/Instagram/reprodução

As invasões de terra promovidas pela FNL já haviam sido recriminadas pela Sociedade Rural Brasil (SRB). Conforme registrado pelo site do Canal Rural, a entidade destaca que esse tipo de movimento “fere o direito de propriedade e traz insegurança jurídica para o campo”.

Deputado federal e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Pedro Lupion (PP-PR) foi enfático ao reclamar da série de invasões de terra nos últimos dias. “Isso é crime”, afirmou o parlamentar ao abordar o assunto em seu perfil no Twitter.

“O Incra tem 90 milhões de hectares de áreas de assentamento e 110 milhões de hectares de áreas da União que podem ser usadas para a reforma agrária. Não tem cabimento!”, afirmou Lupion. “Nós, produtores rurais, queremos saber que atitudes o governo vai tomar e o que será feito sobre essa barbárie.”

Por Canal Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Em 2022, quando a Guerra na Ucrânia começou, houve um salto de 188% nas exportações de fertilizantes de Israel ao Brasil
Para Arnaldo Jardim, tendência é a ampliação das possibilidades do produto
Esse fenômeno tem gerado impactos positivos no desenvolvimento de municípios do Piauí que, anteriormente, apresentavam indicadores econômicos mais modestos, transformando suas realidades.
Ambiente de negócios aponta para encurtamento das escalas de abate, o que pode levar ao maior apetite de compra