Search
Close this search box.

A pecuária quer acabar com a fome

10 de janeiro de 2023

A pecuária é apontada por alguns, sem o devido conhecimento técnico, como a principal responsável pela emissão de gases de efeito estufa. Não é verdade
Compartilhe no WhatsApp
A pecuária quer acabar com a fome
Foto: José Roberto Ribas Filho, vice-presidente da Associação Nacional da Pecuária de Corte (Assocon

As estatísticas oficiais comprovam: o maior
responsável disparado por CO2 na atmosfera – causa de 74% dos GEE –
são os combustíveis fósseis.

A pecuária emite somente cerca de 3% dos GEE, mas – o que nunca entra
na conta – também sequestra carbono e fixa no solo mais do que emite.
Portanto, a atividade tem saldo é positivo, apesar de muitos não
quererem enxergar.

Entendo que a prioridade número um do planeta é acabar com a fome, que
implacavelmente atinge mais de 1 bilhão de pessoas. Conclusão óbvia:
é preciso aumentar a produção de alimentos, para oferecer comida em
mais quantidade e menor preço.

Nos países desenvolvidos, a Revolução Industrial ocorreu bem antes do
que no Brasil. Consequência desse processo, as nações da União
Europeia e os Estados Unidos desmataram suas florestas para sustentar o
seu desenvolvimento com produção agrícola, mineração,
infraestrutura etc.

Nós e os demais países em desenvolvimento precisamos aumentar nossa
produção e infraestrutura para gerar empregos e melhorar as vidas das
pessoas.

Que fique bem claro: não sou favorável ao desmatamento ilegal. Mas
precisamos pensar numa forma de não ter nosso desenvolvimento – que é
extremamente necessário especialmente para a população mais carente –
comprometido e sermos recompensados pelos países que desmataram suas
florestas, se desenvolveram e têm seu povo em condições muito
melhores de vida.

Nosso Código Florestal é o mais rígido do mundo. Além disso, somos
os maiores preservadores do meio ambiente do mundo. De longe! E essa
preservação é executada e financiada pelo agronegócio.

O desmatamento ilegal é obra, principalmente, de criminosos. Em
especial de grileiros, que são na realidade ladrões de terras. Ocupam
áreas públicas e desmatam para tomar posse. O negócio deles é
exclusivamente imobiliário.

O produtor rural, por sua vez, prioriza o aumento da oferta de
alimentos, contribuindo para gerar empregos, aumentar a arrecadação do
Estado, melhorar a balança comercial e diminuir a fome no mundo –
aquela que atinge 1 bi de pessoas.

Não tem sentido nem é justo atacar o agro. Se há quem comete crimes,
trabalha sem ética e sem responsabilidade social e ambiental, precisa
ir para a cadeia. A grande maioria dos produtores é honesta, contribui
para o desenvolvimento do país e para colocar comida na mesa dos
brasileiros e de mais de 180 países. É esse agronegócio que me faz
brilhar os olhos e contribui para um mundo melhor e sem fome.

Assocom – Associação Nacional da Pecuária de Corte

Entidade privada que representa pecuaristas, que utilizam sistemas intensivos na produção de gado de corte e demais integrantes da cadeia produtiva, correlacionados à produção intensiva Congrega um único interesse, o desenvolvimento organizado da produção pecuária de corte brasileira em qualidade e com o uso racional de tecnologias.

Por José Roberto Ribas Filho, vice-presidente da Associação Nacional
da Pecuária de Corte (Assocon)

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

o Dia Mundial das Leguminosas ocorre todos os anos em 10 de fevereiro. São as Nações Unidas que fixaram esta data desde 2019, sendo uma oportunidade para destacar os benefícios nutricionais das leguminosas e a sua contribuição para sistemas alimentares sustentáveis ​​e para um mundo livre da fome.
Além de aumentar as vendas do segmento, a estratégia tem baixo custo e permite alcançar melhor o público agrícola especializado
Os sinais de retomada no consumo indicam uma resposta positiva do mercado às medidas implementadas.
o País caminha para mostrar como a agricultura pode impulsionar ainda mais a captura de CO2 e combater as mudanças climáticas, acelerando o aumento da produtividade.