Search
Close this search box.

 A corrida do agronegócio pela comunicação fora da porteira

18 de setembro de 2023

Estudo da Aberje mostra que, no mínimo, 49 empresas do agronegócio estão se esforçando para ampliar a comunicação sobre o setor ao consumidor urbano
Compartilhe no WhatsApp
A corrida do agronegócio pela comunicação fora da porteira

Aos poucos, o setor do agronegócio vem se introduzindo nas conversas ‘urbanas’ do dia a dia, entre profissionais da economia, administração, sustentabilidade, nutrição, comércio internacional, entre outros. O maior espaço às notícias sobre agronegócio no Brasil contribui para este movimento, em que falar dos processos produtivos de matérias-primas ou obter a rastreabilidade daquilo que se consome passa a se incorporar ao comportamento do consumidor.

O elo entre campo, indústria e consumidor está também na comunicação, em que por trás há o esforço de empresas de dentro e fora da porteira para explicar e esclarecer o que se passa a quilômetros e quilômetros de distância da Faria Lima. Um trabalho que, muitas vezes, começa na agência de comunicação com o briefing para traduzir o que acontece nas lavouras país afora, até atingir uma campanha ou a imprensa a nível nacional. É uma construção de narrativa, cuja comunicação empresarial tem se debruçado cada vez mais. 

No estudo exclusivo da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), das 59 empresas que figuraram entre as 400 maiores e melhores do agronegócio, baseado no ranking da própria EXAME, 81% tem ações de comunicação predefinidas, como parte do planejamento elaborado. A maioria das empresas participantes do estudo também adotam a elaboração de plano integrado de comunicação como parte do modelo de gestão.

Onde as empresas do agro investem para se comunicar?

Os números mostram o quanto o setor quer — e precisa — se comunicar. Para isso, 98% das empresas atuam com comunicação externa, 83% acreditam que o relacionamento com a imprensa está entre as principais atuações em comunicação e 81% elenca também as mídias sociais.

Além disso, 91% das empresas que estão na pesqusia da Aberje contratam serviços de fornecedores de comunicação. São eles:

  • Eventos (63%)
  • Assessoria de imprensa (59%)
  • Comunicação interna (34%)
  • Branding (32%)
  • Pesquisa, mensuração e avaliação (31%)

No estudo, praticamente todos os setores estão representados, com destaque para o de saúde animal (19%), agricultura e floresta (17%) e o de pecuária, pesca e aquicultura (15%).

Ainda assim, o setor quer comunicar mais o que se passa na complexidade da indústria a céu aberto e tem, inclusive, apostado em outras ferramentas de aproximação com o público. Na corrida para informar mais e melhor sobre o campo vale apostar em QR Code, aplicativos, chatbot, realidade aumentada… só não vale ignorar que o cliente dentro e fora do Brasil quer saber de onde vem o que comemos, bebemos e vestimos.

Por Exame

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Para participar é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único e viva no meio rural, com renda mensal de até R$ 218 por integrante
Reunião para discutir o tema foi realizada na terça (21), em Brasília
Em 2023, a CNI contabilizou 85 entraves às exportações nacionais contra 77 no levantamento do ano anterior