Sai 1ª carne neutra da América do Sul para a Suíça

Em evento inédito, primeiro carregamento de carne bovina neutra de carbono produzida na América do Sul sai do Uruguai e vai para a Suíça.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Sai 1ª carne neutra da América do Sul para a Suíça
Áudio

Em absoluta novidade, neste início de dezembro, o primeiro carregamento de carne neutra em carbono da América do Sul, verificado pela LSQA – Laboratorio Tecnológico del Uruguay (LATU) y Quality Austria, produzido no Uruguai pela Mosaica e que será abatido pela Solís Meat Uruguay, partirá para a Suíça.

Isso será um marco na história para um dos principais produtos de exportação do país, colocando-o nos mercados mais exigentes do mundo em um contexto onde as barreiras ao acesso à carne serão cada vez mais elevadas.

Carbono neutro

No início de 2021, a Mosaica – que exporta para os principais mercados europeus – iniciou um processo de coleta de dados e gerenciamento de sua pegada de carbono. Devido às características de seu sistema de produção – baseado em pastagens naturais e com um importante componente de conservação da floresta nativa – o estabelecimento alcançou uma captura de CO2 superior às suas emissões, atingindo assim a distinção de neutralidade de carbono.

O processo verificado abrange todas as etapas da produção pecuária realizadas pela Mosaica, desde o nascimento do animal, a reprodução e engorda do mesmo até sua chegada ao frigorífico para abate.

Esta ação é pioneira no Uruguai colocando o país na mira dos mercados mais exigentes e gerando assim oportunidades para toda a cadeia produtiva da carne do país que assinou a COP26, realizada em Glasgow este ano, onde metas globais ambiciosas foram definidas especificamente em torno das emissões de metano, visando uma redução de 30% delas até 2030.

Como os principais destinos de exportação implementam restrições em seus mercados para produtos com altas emissões de gases de efeito estufa (GEE), os produtos importados precisarão demonstrar um desempenho ambiental consistente para evitar a concorrência desleal.

Certificação

A LSQA desenvolveu um programa de verificação da pegada de carbono do produto para os estágios iniciais da produção de carne também conhecido como “Cradle to Gate”. O desenvolvimento deste programa contou com a contribuição de especialistas técnicos e produtores nacionais para garantir um esquema de verificação da pegada de carbono que leve em conta o contexto e a realidade produtiva local.

Este programa é baseado na ISO 14067, ISO 14064-2, ISO 14064-3, regras da categoria de produtos e nas Diretrizes do IPCC para inventários nacionais de gases de efeito estufa para levantamento e verificação da pegada de carbono na carne.

Fonte: Agronews/El Pais

Crédito: Reprodução

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Para especialistas, desempenho exportador das carnes neste início de 2022 é bastante satisfatório, mas o preço da carne suína registra queda anual próxima de 10%
Também nos bovinos, os nutrientes desempenham funções essenciais no organismo; então, atenção para quando ele faltarem na forragem oferecida, Carência muito comum no País
Os dados constam do banco da Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares (ANC), entidade mais antiga de registro de animais de raça do país
Segundo RTP, um grupo empresarial chinês prevê que China vai importar mais carne bovina brasileira agora em 2022. Uma boa notícia